sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Bom fim de semana!

"Só vê bem
aquele que imagina a evidência"


Sophia de Mello Breyner
na última exposição em vida de José Escada (1979)



Joie de Vivre (óleo sobre tela, 1960)
retrospetiva José Escada até 31 Outubro
Na F. C. Gulbenkian

 

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Os EUA bombardearam o cessar-fogo na Síria



Há dois dias aviões norte-americanos mataram pelo menos 62 soldados sírios. Saíram, depois, da reunião à porta fechada do Conselho de Segurança da ONU convocado pela Rússia para esclarecer esta questão, e optaram por lamentar junto aos jornalistas o sucedido e para afirmar que “seja qual for o resultado da investigação sobre este caso (!!), a aviação não o fez intencionalmente.” Esperar-se-iam desculpas à Síria e aos familiares dos soldados mortos. Isso não aconteceu. Terroristas do Estado Islâmico progrediram para o território ocupado pelos soldados sírios mortos.

A opinião pública não perdoará aos EUA novo malogro do plano de cessar-fogo para a Síria, como aconteceu ao de Fevereiro.

Os estrategas do Pentágono decidiram há vinte anos a destruição da democracia e desenvolvimento de muitos países, começando, na fase das “revoluções coloridas” desta década, pela Líbia e pela Síria, esta em 2011. Há razões políticas e energéticas nestes planos maquiavélicos: retirar aliados à Rússia, acabar com o não-alinhamento e obter a exploração do petróleo desses países, impedindo a Rússia de ser fornecedora de petróleo e gás à Europa.

A liquidação das condições de vida dos sírios, a destruição das suas cidades, a falta de condições de habitabilidade, de acesso a alimentação e água durante cinco anos consecutivos, originou o desespero, mais e duas centenas de milhares de mortos, centenas de milhares de refugiados.

O clamor universal para que desta vez se calem as armas é maior.

No dia 6, antes do anúncio deste novo acordo, o Le Monde, relatava que o exército e as outras forças aliadas fecharam o corredor frágil que os combatentes da oposição a Assad tinham rasgado no início de Agosto. O apoio aéreo das forças russas foi decisivo nesta operação. Se o terreno de Aleppo, no norte da Síria, permanece em movimento, marcado por reversões desde Junho, o avanço deste domingo é um sucesso para as forças do regime.

A única estrada de acesso aos subúrbios rebeldes de Aleppo, cidade dividida em duas desde 2012, segundo o jornal, foi fechada quando das operações turcas no norte da Síria e as negociações acaloradas entre Moscovo, pilar do regime, e Washington, um dos patrocinadores da rebelião. Desde Fevereiro, a Rússia passou a pesar sobre a situação militar em Aleppo, para obter dividendos diplomáticos, e os últimos desenvolvimentos poderia novamente servir os seus interesses.

A reconquista de Aleppo é um objectivo proclamado pelo governo sírio há meses.

De acordo com sites pró-regime, o veterano das tropas de elite sírias, coronel Souheil Alhassan, e os milicianos do Hezbollah desempenham um papel importante nos combates no solo à coligação rebelde Jaich Alfatah ("Exército da Conquista"),aliança de facções radicais dominada por jihadistas da Frente Fatah al-Sham, a antiga Frente Al-Nusra, filiada na Al-Qaeda”.

Na semana passada EUA e URSS anunciaram um novo acordo de cessar-fogo, terrestre e aéreo, para a Síria, que começou a vigorar no dia 13, para coincidir com o Eid al-Adha, principal festa muçulmana. Depois de um período de sete dias de respeito da trégua, ambos os países vão realizar ataques coordenados contra posições dos grupos terroristas Al Nusra e Estado Islâmico, disse o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, nessa conferência de imprensa em Genebra, depois de uma maratona de negociações, tendo ao seu lado o homólogo russo, Serguei Lavrov.

Durante as longas negociações foram assinados cinco documentos que permanecem "confidenciais" por causa de seu “conteúdo sensível”. Foram divulgados os pontos sobre a trégua, a ajuda humanitária e a demarcação de atividade das forças aéreas da Rússia e dos EUA. Ficou ainda esclarecido que o governo sírio e os grupos de oposição não terroristas estavam prontos a cumprir estes acordos, incluindo o regime de cessar-fogo e a garantia de abertura de corredores humanitários para a cidade de Aleppo. O Ministério da Defesa Russo pediu que um dos principais grupos de oposição, o Exército Livre da Síria, parasse a ação militar contra unidades curdas, perto de Aleppo, para facilitar o cessar-fogo. Essa acção permaneceu depois de iniciado o cessar-fogo. As forças curdas têm sido consideradas por alguns observadores, como uma das mais eficazes no combate aos terroristas no solo.

No dia do anúncio do acordo, o porta-voz do Departamento de Estado Mark Toner tinha declarado:

"Nós sempre fomos claros, assim como já dissemos que a responsabilidade da Rússia é de exercer influência ou pressão sobre o regime a respeitar a cessação das hostilidades, e cabe a nós persuadir, convencer a oposição moderada a também respeitar a cessação das hostilidades, o que é uma decisão que irá ser cumprida ".

O Ministério russo do Exército salientou no passado dia 12 e novamente neste sábado que o facto dos EUA ainda não terem fornecido informações, que permitam a identificação exacta dos lugares operacionais do Jebhat al-Nusra nas áreas de combate, estava a dificultar o trabalho conjunto para a fase a seguir à cessação das hostilidades. 

Entretanto, as esperadas dificuldades para a fase do cessar-fogo vieram ao de cima.

Israel, uma hora depois do início do cessar-fogo sobrevoou a Síria e dois aviões seus foram abatidos por mísseis de uma nova geração de desempenho superior aos anteriores. Até este sábado eram 199 os casos de violação do cessar-fogo, cumprindo o exército sírio e seus aliados o acordo.

Entretanto, os vários grupos armados rebeldes têm aproveitado a trégua para reagrupar combatentes, nomeadamente em Aleppo e Hama, e recomporem os arsenais de armas e munições para se lançarem na conquista de novos objectivos.

Com base nisso, a Rússia disse aos EUA que estes não estavam a cumprir a sua parte do acordo sobre o cessar-fogo, que incluía o controlo dos grupos por eles apoiados (rebeldes “moderados”), e pediu a Washington para tornar públicos todos os documentos relacionados com a negociação deste acordo, para que ficasse claro o que tinha ficado acordado e quem não o estava a cumprir. Estes acordos, em geral, mantêm-se sob reserva, o que pode facilitar a manipulação da opinião pública.

E tornou público que os EUA não estão a responder a contactos, entre ambas as forças no terreno, como tinha ficado combinado.

Sobre os acessos humanitários a situações como a de Aleppo, os acordos preveem que quer as forças “rebeldes” quer o governo sírio não só se abstêm de fazer fogo como também se devem afastar o suficiente desses corredores para garantir que organizações humanitárias viabilizem aos habitantes essas ajudas. Houve situações anteriores em que os bens destinados aos habitantes foram entregues aos rebeldes, que apareciam armados, como autoridade administrativas, e em que estes se apoderaram delas para os seus combatentes e as fizeram entrar no mercado negro, gerando preços incomportáveis para os habitantes. O representante da ONU, De Mistura, conhece a situação e não exigiu aos “rebeldes” que viabilizassem esse acesso e agora volta a acusar os sírios de impedirem a entrada da ajuda humanitária.

Em 6 de Julho deste ano, o Washington Post dava conta de que “A construção de confiança entre os rebeldes sírios e seus aliados norte-americanos também não é uma tarefa fácil", disse ao jornal David Maxwell, um ex-oficial das forças especiais, que dizia ainda que "Preparar os nossos supostos aliados não resulta em muito e prejudica a nossa legitimidade e credibilidade. É difícil estabelecer e manter relacionamento com estas organizações que se dizem uma coisa e fazem outra."

Isto exige que a “mão firme” que Washington tem para outras coisas a tenha também com estas, sob pena de o cessar-fogo não resultar, bloqueando a continuidade de todo o processo de paz. Pelos vistos teve-a mais uma vez para matar os 62 soldados sírios…

Episódios como estes, relatados no jornal norte-americano, geram grande perplexidade sobre o que se passa no terreno com estes grupos e de como os EUA, que foram os patrocinadores da criação de todos, lidam com eles, até porque os continuam a apoiar em todos os aspectos.

Mas os EUA defrontam-se com outro problema: a sua rejeição por toda a população síria ilustrado por mais um caso significativo, já reconhecido pelo Pentágono. Na 6ª feira passada ocorreu a expulsão de militares norte-americanos que acompanham a incursão turca, da cidade de al-Rai, por grupos próximos do NSA em termos altamente desprestigiantes para os EUA.

E defrontam ainda a falta de confiança dos grupos que têm apoiado. Na mesma peça do Washington Post, referia-se que uma unidade rebelde síria, treinada pelos EUA, tinha sido derrotada e obrigada a fugir para o Estado Islâmico durante uma batalha no deserto perto da cidade de Bukamal, depois de jactos americanos a abandonarem num momento crítico para, segundo autoridades americanas que conheciam o incidente, bombardearem outro alvo no vizinho Iraque. A unidade rebelde do Novo Exército Sírio (NSA) estava em ofensiva terrestre para recuperar ao Estado Islâmico) (IS, anteriormente ISIS / ISIL) a cidade de Bukamal, no sudeste da Síria, capturada na semana anterior. As autoridades norte-americanas que lidaram com isso confirmaram o facto.

originalmente publicado hoje, dia 19, em abrilabril

sábado, 17 de setembro de 2016

O golpe em curso, por Carlos Carvalhas

 
Há um golpe em curso. Como no Brasil não se trata de um golpe militar, mas um golpe de pantufas, lento, burocrático, hipócrita.

A opinião pública vem há muito a ser preparada e intoxicada para o aceitar, designadamente através dos meios de comunicação oficiais com destaque para a RTP. O país está em estagnação desde que o Euro entrou em circulação. Com o governo PSD /CDS a economia afundou-se, o PIB teve uma queda histórica, bem como o investimento público e privado. Aumentou dramaticamente o desemprego, a emigração e a dívida pública e nem saímos da situação de défice excessivo.  Se se continuasse com a mesma política a situação era hoje bem pior, pois nem sequer teríamos o estímulo do consumo interno no quadro do abrandamento da economia europeia e da forte quebra de importantes mercados das nossas exportações. A que há que juntar as situações apodrecidas do BANIF, Caixa e Novo Banco vindas do governo anterior e os inaceitáveis constrangimentos do défice a limitarem fortemente o aproveitamento dos fundos europeus e portanto o investimento público.
Isto é conhecido.
No entanto continua-se a carregar nas tintas pretas, como se o peso da situação não viesse de trás.
As grandes acusações feitas a este governo , embora nem sempre explicitadas são: a reposição dos vencimentos dos trabalhadores da função publica, modesta, as 35 horas, a diminuição do IVA na Restauração. "O exato oposto do que  deveriam fazer" dizem os agentes da Troika, opinião sempre amplificada por certa comunicação social e pelos bitates dos Schaubles e Dijsselbloens. Só que a opinião destes últimos e as ameaças de sanções da Comissão já tiveram efeito negativo nas taxas de juros sobre a dívida pública portuguesa, fatura que lhes devia ser endossada. Pintado o quadro de negro e não se dando saída para o investimento público, o golpe está em marcha e uma das suas etapas decisivas já está marcada para 21 de Outubro. O executante na sombra será o BCE seguindo as orientações mais ou menos explícitas, dos Schaubles e dos Dijsselbloens e contando com as habituais posições à Pilatos dos Holandes, Renzis e companhia.
Antes disso teremos mais uma intensa campanha de preparação da opinião pública que terá o seu auge a 15 de Outubro, com Bruxelas a pressionar e a chantagear com as propostas do Orçamento de 2017 e com as medidas ditas excecionais em alternativa às sanções e a direita a falar na "teimosia do governo". Depois da preparação da opinião pública o quadro político será analisado e o BCE ponderará – pois terão sempre que medir as consequências de uma nova crise na UE – crise em Portugal, Espanha, Itália com referendo prometido – perto das eleições alemãs e francesas. Se o clima for favorável o BCE será tentado a sugerir à sua correia de transmissão – a agência de rating canadiana DBRS – a baixar numa primeira fase as perspectivas da dívida portuguesa de estável para negativa com as consequentes aumentos de juros ou mesmo a baixar o rating permitindo o corte de financiamento do BCE. O golpe final de baixar o rating pode ser decidido mais tarde, mas tudo isto feito debaixo da aparência de neutralidade técnica e com a direita em pose pesarosa a justificar a decisão da agência de rating. Na realidade tratar-se-á de uma decisão puramente política visando punir os maus exemplos.
Pode ser que as circunstancias da altura não aconselhem o desencadear do golpe, mas que ele está ensejado, está!
Como afirmou recentemente Stiglitz enquanto Portugal se mantiver no Euro estará sempre sujeito a este tipo de golpes e chantagens e nós acrescentamos: e pressionado a compensar as perdas de competitividade devido ao Euro pela redução dos salários e pensões e com taxas de crescimento ao nível da estagnação.
Saberá o PS tirar as conclusões que se impõem?       


(11/Setembro/2016)
 

Continua a preparação, manipulação da opinião pública para o golpe de uma forma aparentemente displicente e casual.

Pouco tempo depois do atual governo tomar posse e sem qualquer justificação plausível o ministro das Finanças alemão afirmou que Portugal caminhava para um segundo resgate. Confrontado com a enormidade o ministro alemão veio de forma pouco clara negar o que disse. Na altura o alcance de tal afirmação, atabalhoadamente desdita, passou despercebida parecendo mais uma caturrice de tal personagem. No entanto o que hoje se percebe é que naquela precipitação foi revelada a idealização do golpe. Claro que os direitinhas dirão que isto é teoria da conspiração! Mais recentemente tivemos o episódio da entrevista de Centeno denunciada no sítio "Truques da Imprensa portuguesa":
O truque: A CNBC colocou no título uma frase supostamente atribuída a Mário Centeno: "We'll do all we can to avoid a second bailout". Uma frase que, observando a entrevista, o ministro nunca disse. Ao trazer a informação para o contexto nacional, o Negócios foi prudente. Percebendo que havia, no mínimo, um lapso, atribuiu a informação à CNBC logo no título. – Não foi Centeno que disse, foi a CNBC que disse que Centeno disse. – Já os jornais que o sucederam na pesca ignoraram a complexidade da questão e como quem conta um conto acrescenta um ponto, aí vai: "Centeno diz estar a fazer tudo para evitar um novo resgate." Do mito se fez facto.
Lendo a entrevista percebe-se que, ao dizer que "é a sua principal tarefa", Centeno referia-se à "estabilização da economia" e não ao segundo resgate, como, aliás, mais à frente fica totalmente esclarecido.
O tema "resgate" por esta e por aquela forma "mantêm se em atualidade" para que os ouvidos se vão habituando. Ontem o Público, certamente também por mera casualidade, entrevistou o ministro das Finanças grego que na altura negociou o "resgate", em que este lembra que o BCE tem a chave do Reino pois dele depende a liquidez da banca e a Alemanha a palavra decisiva. Também ontem Maria Luis Albuquerque em tom de sonsa foi entrevistada, por acaso, no Negócios tendo à pergunta sobre um eventual resgate respondido com um angelical: Eu não colocaria a questão dessa forma, mas acrescentando que o governo ainda está a tempo de mudar de rumo...
Hoje no Expresso Curto o tema regressa:
"O resgate. Qual resgate? Bom dia, "O stress pós-traumático é uma perturbação por ansiedade causada por eventos muito stressantes, assustadores ou perturbadores". A definição de stress pós-traumático do Serviço Nacional de Saúde britânico serve, na perfeição, de preâmbulo para um dos temas que marcou o dia de ontem. Num país que viveu três resgates do FMI, que pouco cresce e onde a dívida pública está acima de 130% do PIB, é normal que o resgate seja um papão terrível. E ontem foi um fantasma que pairou sobre Maria Luís Albuquerque (a ex-ministra das Finanças) e Mário Centeno (o atual responsável da pasta). Justiça lhes seja feita, a 'culpa' foi dos jornalistas que decidiram puxar o assunto. Vale pena ouvi-los em discurso direto (e em vídeo) no
Negócios e na CNBC . O que surpreende, no entanto, é a forma diferente como Maria Luís Albuquerque e Mário Centeno lidam com o 'trauma'. Enquanto Maria Luis diz, preto no branco, que "não colocaria a questão nesses termos", Centeno admite que evitar um novo resgate é a sua "principal tarefa". O que, para quem pretende afastar esse cenário, não parece uma estratégia muito adequada. Afinal, há risco ou não de um novo resgate? De quê? De um resgate. Ah, o resgate. Qual resgate?
Para se juntar à festa, a ARC Ratings – a antiga Companhia Portuguesa de Rating –
manteve ontem Portugal um degrau acima de 'lixo' e reviu a perspetiva para negativa. A agência não tem o peso dos gigantes que marcam o ritmo dos mercados internacionais mas não deixa de ser um sinal. Sexta-feira fala uma das grandes – a Standard & Poor´s – que tem Portugal em 'lixo' com perspetiva estável".
Como é evidente a campanha está em curso para que o golpe a ser dado pela DBRS sob a orientação do BCE, a meados de Outubro apareça como a reacção natural, anódina e lógica dos mercados.
E a verificar-se, os que estão na programação do golpe ficarão na sombra e os comentadores de direita em hipocrisia solene dirão que foram repetidamente avisando, no puro estilo do Conselheiro Acácio.
Maria Luís Albuquerque, Cristas e Passos dirão com voz pesada e semblante carregado: depois de tantos esforços os portugueses não mereciam isto...


(13/Setembro/2016)
 
O original encontra-se em foicebook.blogspot.pt

Por motivo de obras de reabiltação, encerramos hoje e reabrimos ao público no dia 3 de Outubro


sexta-feira, 16 de setembro de 2016

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Francisco Assis, Claude Juncker e o (mau) Estado da União


De Francisco Assis já nada espanta! Mas atendamos, quase a arriscar o masoquismo, às apreciações ao discurso de Juncker de ontem sobre “O estado da União”, dadas à estampa no Público de hoje.

Consideração geral, sem comentários, “O presidente da Comissão Europeia sabe do que fala, já que constata todos os dias as dilacerantes divisões que atravessam a União Europeia, a tormenta dos discursos nacionalistas a roçar a xenofobia e a pusilanimidade de grande parte dos governantes nacionais, exageradamente dispostos a capitular diante da verborreia que caracteriza os sectores antiliberais e antidemocráticos da esquerda e da direita.”

Mas ocorre-me que à “xenofobia” se pode contrapor a russofobia, à pusilanimidade a criminosa agressividade e à “verborreia” a diarreia mental. E que quererá Assis dizer com essa dos “obscenos ataques ” a Juncker?

Assis gostou em particular do desejo de Juncker criar uma estrutura militar da UE articulada com a NATO porque…há “uma nova realidade política que circunda o espaço europeu”, porque os EUA já estão a reduzir os gastos no seu “espaço de influência europeu” e a UE precisa de “investir mais na defesa dos seus cidadãos”. Mas a Europa tem que ter um exército” para se confrontar com outros continentes ou países? Com o circundar do espaço europeu refere-se certamente ao cerco militar e nuclear à Rússia, à atracção desenvergonhada de países fronteiros desta para integrarem a UE e a NATO. Não referiu, porém, como é que Portugal e esses países de fronteira comum, ficariam livres da resposta adequada que a Rússia teria em caso de ataque dos EUA pelos interpostos países referidos…Assis é um atlantista aventureiro e mede pouco as responsabilidades de ser eurodeputado de Portugal e não da Europa ou dos Estados Unidos.

É muito rasteiro chamar aos que defendem a paz no espaço europeu “arautos de um pessimismo primário e criminoso” e “as belas almas puras do costume”.

Assis defendeu as negociações para o TTIP para a EU não perder a “capacidade de influenciar” diversos aspectos “susceptíveis de assegurar uma correcta regulação da globalização em curso”. Passando en vol d’oiseau pelas cedências que seriam feitas, que estrutura de controlo e fiscalização e que capacidade restaria à soberania portuguesa, incluindo a judicial, para intervir em zonas de conflitos de interesses.

Sobre o messianismo do presidente da Comissão Europeia lembrou que ele “é um velho militante da democracia-cristã europeia; um típico representante desse centro hoje em dia tão execrado pelos extremismos de toda a espécie”, e expressão da “democracia liberal e a economia social de mercado” que – não disse – de vitória em vitória nos conduziram ao estado em que estamos. Mas então quem é responsável pela crise?

Para terminar, diria eu que, certamente não por acaso, palavras como povo, trabalhadores, Portugal, entre outras, estão ausentes das considerações de Assis. Socialista?

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Em defesa da verdade sobre o 11 de Setembro de 2001

Arquitetos e Engenheiros pela verdade do 11/9 Truth

Em 12 de Agosto de 2005, mais de 12.000 páginas de histórias recolhidas oralmente junto de 503 bombeiros FDNY (Departamento de Fogos de Nova Yorque), paramédicos, e técnicos de emergência médica foram tornadas públicas depois de The New York Times ter processado a cidade de Nova Iorque pela sua disponibilização, em resposta à decisão da administração da Bloomberg de impedir o acesso público a eles.
O FDNY tinha gravado as histórias orais entre Outubro de 2001 e Janeiro de 2002, por instrução do comissário de fogo da cidade, Thomas Von Essen, que queria preservar os registos dos membros do FDNY "antes de serem reformulados numa memória colectiva."
Após a libertação dos registos, os investigadores começaram a examiná-los para identificar quaisquer provas sobre a causa da destruição das Torres Gêmeas .

Em Agosto de 2006, o Dr. Graeme MacQueen, professor aposentado da Universidade McMaster, em Ontário, Canadá,publicou o artigo, "118 Testemunhas: Testemunho dos bombeiros das Explosões nas Torres Gémeas". Nele identificou 118 membros FDNY (de entre os 503 entrevistados), que relatavam testemunhos de explosões, evidentemente baseados em provas sobre a verdadeira causa da destruição das Torres Gêmeas '.
O artigo de MacQueen e os critérios por ele utilizados na análise dos testemunhos pode ser encontrado noJournal of 9/11 Studies, Vol. 2, Agosto de 2006.
Excertos das 118 conversas referidas podem ser lidos aqui.

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Cessar-fogo na Síria: uma luz de esperança


Hoje às 16 horas, hora portuguesa, iniciou-se um cessar-fogo na Síria.
Apesar das inseguranças que o rodeiam, se se vier a confirmar e consolidar, irá ao encontro de um clamor universal nesse sentido mas, acima de tudo, à grande aspiração a uma vida pacífica, mesmo que ressurgida dos escombros dos povos de um país mártir, que tanto têm sofrido nestes 5 anos. Isso permitirá o regresso à pátria de centenas de milhares de emigrantes, à medida que as condições o forem permitindo e contribuirá para reduzir à vaga emigratória para diversos outros países.
Moscou afirmou que o Centro de Reconciliação russa na Síria criou grupos especiais de monitorização do acordo em todas as províncias sírias para observar a cessação das hostilidades. Os EUA têm um centro semelhante em Amã, capital da Jordânia. A Rússia tem defendido a junção dos dois centros num só local. O responsável pelo Centro russo disse que as tarefas essenciais são a questão do acesso da ajuda humanitária em primeiro lugar às freguesias ocidentais e orientais de Aleppo, desejando melhor cooperação para o efeito com a ONU e outras organizações internacionais.

O general sírio Muhammad Ali disse hoje que “ Os militantes da Frente al-Nusra e da [assim chamada] oposição moderada têm atacado continuamente as forças do governo nas imediações de Muhradah e em Mardes nos últimos 10 dias… Concentraram aqui um grupo poderoso que excede significativamente as unidades de defesa do exército síri. Ali, é o vice-comandante das forças governamentais sírias responsáveis pela defesa de Hama.
Durante as longas negociações foram assinados cinco documentos que permanecem "confidenciais" por causa de seu conteúdo sensível. Foram divulgados os pontos sobre a trégua, a ajuda humanitária e a demarcação de atividade das forças aéreas da Rússia e dos EUA.

Ficou ainda esclarecido que o governo sírio e os grupos de oposição não terroristas estão prontos a cumprir estes acordos, incluindo o regime de cessar-fogo e a garantia de abertura de corredores humanitários para a cidade de Aleppo. 
Contudo, o líder da Frente Popular para a Mudança e Libertação da Síria, Qadri Jamil, disse que para realizar negociações é preciso criar um bloco unido da oposição que não se divida por dentro. "Há muito que se tem falado sobre a criação de uma delegação unida da oposição interna e externa, porque temos o objetivo de realizar negociações diretas, que nunca se realizarão sem unidade. Aspiramos a ter êxito na última ronda de negociações em Genebra".
Damasco referiu que será observado o cessar-fogo durante uma semana, sendo que as 48 horas iniciais vão ser decisivas para fazer chegar ajuda à população civil, especialmente em Aleppo.

O cessar-fogo não abrangerá as duas organizações terroristas que não estão na mesa das negociações devido a esse carácter terrorista: O Estado Islâmico ou Isis e a Frente Al-Nusra que, nos últimos dias tinha, em parte da sua estrutura, passado a usar outro nome.
Será estabelecida a coordenação conjunta EUA/URSS para decidir sobre os ataques aéreos realizados por aviões da coligação liderada pelos EUA e da Força Aérea Russa. A criação deste centro tinha sido anteriormente anunciada pelo ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, e pelo homólogo norte-americano John Kerry, em Genebra, na passada sexta-feira.
Por outro lado, o presidente sírio, Bashar Assad disse na televisão estatal que, concordando com o acordo, está determinado a expulsar os terroristas de todos os territórios que tenham conquistado e preservar a integridade territorial do país.
O Ministério da Defesa Russo pediu que um dos principais grupos de oposição, o Exército Livre da Síria, parasse a ação militar contra unidades curdas, perto de Aleppo, para facilitar o cessar-fogo. As forças curdas têm sido consideradas por alguns observadores, como uma das mais eficazes no combate aos terroristas no solo.
O Ministro russo salientou que o facto dos EUA ainda não terem fornecido informações, que permitam a identificação exacta dos lugares operacionais do Jebhat al-Nusra nas áreas de combate, está a dificultar o trabalho conjunto sobre a cessação das hostilidades

domingo, 11 de setembro de 2016

José Rodrigues - Adeus, companheiro da arte e da coragem

A Hanjin, empresa sul-coreana de transporte de contentores, afunda-se


 
Segundo a Cargo News, do passado dia 5, a iminente falência da Hanjin tem tido efeitos imediatos e drásticos na indústria, sendo que os contentores e os navios do próprio armador sul-coreano são aqueles que enfrentam situações mais críticas. A frota da Hanjin está num limbo. Os portos não autorizam a sua operação, temendo que a Hanjin não venha a pagar. E os especialistas admitem que a situação possa durar semanas ou até meses...

Para alguns analistas deste sector de actividade, é um grande desastre para as companhias de transporte marítimo e para os proprietários das mercadorias que estão nos contentores. Os portos também estão a reter contentores já desembarcados da Hanjin como garantia de pagamento das dívidas da empresa.

«São cerca de 540 mil contentores com carga retidos no mar",
explicou à BBC Lars Jensen, presidente-executivo da Consultoria Sea Intelligence, com sede em Copenhague, na Dinamarca.

Segundo o El Pais, as dívidas da empresa, eram de cerca de 4.500 milhões de euros no final de 2015. Os tribunais devem decidir se ordenam a liquidação da empresa ou  se a mantem em operação. Hanjin opera nos portos espanhóis de Algeciras e Valência.

O banco público KDB (Korean Development  Bank) tinha informado em 31 de Agosto que os credores da empresa deixariam de o financiar. Os bancos consideram que o plano apresentado pelo Grupo Hanjin, proprietártio da Hanjin Transportes Marítimos  e da Korean Air Lines, é insuficiente para resolver a dívida da empresa. O julgamento deve durar entre um e dois meses, mas espera-se que neste caso o caso seja mais rápido.

O colapso do comércio mundial e a desaceleração do crescimento da China tem reduzido a procura das companhias de navegação. No caso sul-coreano, foram durante muitos anos um dos motores da economia, fortemente orientada para as exportações. Desde 2011 tem apresentado perdas e no primeiro semestre de 2016 teve um resultado negativo de quase 380 milhões de euros, depois de acumular uma grande perda de quase 960 milhões de euros nos três anos.

O governo sul-coreano tem incentivado as empresas do sector a reestruturar e renegociar os termos de sua dívida. A segunda empresa de transporte no país, a Hyundai Merchant Marine, evitou a falência depois de alcançar um acordo com os credores. A Hanjin não teve o mesmo destino.

Enquanto isso, além da carga encalhado, há outros problemas mais urgentes: "Os nossos navios podem tornar-se navios fantasmas", disse Kim Kyung Ho, gerente da associação de trabalhadores da Hanjin Shipping.

"Alimentos e água estão a escassear nos referidos navios que flutuam em águas internacionais." A empresa começou a fornecer alimentos, água e necessidades diárias para as tripulações, em seis navios Hanjin ancorados nos portos, incluindo Rotterdam e Singapura. Cerca de 70 barcos de contentores e 15 navios graneleiros estão presos em 50 portos em 26 países, de acordo com a Hanjin. Um capitão da Hanjin que explora um navio em águas internacionais perto do Japão disse que ao navio foi dada permissão para entrar num porto japonês quarta-feira para descarregar a carga, mas será obrigado a sair de lá imediatamente depois.

Além da carga encalhada, há outros problemas mais urgentes: "Os nossos navios podem tornar-se em navios fantasmas", disse Kim Kyung Ho, dirigente do Sindicato associação dos Trabalhadores da Hanjin Shipping.
Cerca de 95% dos bens manufaturados do mundo - de vestidos a televisores - são transportados em contentores. Embora a Hanjin represente apenas cerca de 3,2% da capacidade global de contentores, a interrupção, que ocorre quando se prepara a criação de stocks para as prateleiras para a temporada de férias, vai sair cara, na medida que as empresas lutam para reservar as suas mercadorias noutras operadoras.

O Conselho dos Armadores Coreanos, que representa mais de 60.000 empresas comerciais, disse quarta-feira aos seus membros que "não têm sido capazes de descobrir o paradeiro da sua carga."

E mesmo aqueles que sabem onde os seus navios estão, vão defrontar em breve um dramático aumento nos custos. Os armadores disseram que os problemas se estendem a transportadoras com acordos de partilha de navio com a Hanjin. E referem os casos do Grupo Cosco da China, a Kawasaki Kisen Kaisha Ltd. , do Japão e as Evergreen Marinho Corp. e Yang Ming Marine Transport Corp.,de Taiwan, que normalmente movimentam diàriamente milhares de contentores Hanjin.

Sanne Manders, diretor operacional do transitário com sede na Califórnia Flexport Inc., disse que as taxas sobre os carregamentos Ásia - EUA subiram de 40% para 50% desde segunda-feira em todas as rotas marítimas, e não os operados pela Hanjin.

"Isso equivale a 600 a 700 dólares por contentor", disse Manders. "Pensamos que este período de preços elevados será de 30 a 45 dias", através do pico inicial para o transporte da temporada da Acção de Graças. Freightos, um mercado online para reserva de remessas de mercadorias, referiu que o preço médio por contentor nas rotas da Ásia - EUA subiu 56%,  para 4.423 dólares, na terça-feira, quando era de 2.835 uma semana antes.

Os custos são um problema desde que a indústria de navegação global está a operar em perda desde o final de 2015, e está preparada para perder cerca de 5 mil milhões de dólares este ano no meio de um excesso de oferta de navios, de acordo com o Drewry Maritime Research.

Algumas das empresas mais dependentes da Hanjin, como a Samsung Electronics, que disse ter carga avaliada em cerca de 38 mil milhões de dólares encalhados em navios Hanjin em águas internacionais, estão a tomar medidas alternativas: a empresa disse que está a considerar fretar 16 aviões de carga para cumprir os seus contratos de remessa, principalmente para os EUA. "Somos passageiros de um autocarro, e estamos a ser informados que não podemos sair", disse Evan Jones, um advogado para a empresa nesta 3ª feira.

Se ocorrer a liquidação, seria a maior queda na história de uma empresa de transporte em termos de capacidade, de acordo com a consultoria Alphaliner. A Hanjin tem 2,9% da carga transportada por via marítima no mundo, cerca de 1.500 funcionários e uma frota de 132 navios porta-contentores e navios de carga que operam em dezenas de portas, incluindo os de Algeciras e Valência.

O porto de Valência é aquele que bloqueou a entrada de navios Hanjin com o argumento de que a empresa não podia pagar as taxas, informou um porta-voz da empresa à Reuters. A mesma decisão tomaram os portos de Xangai e Xiamen na China e de Savannha nos Estados Unidos. No terminal TTIA de Algeciras, lançado pela Hanjin que tem 25% das acções do mesmo, 20% das cargas que nele transitam são contentores da empresa sul-coreana, pelo que se prevê que a bancarrota venha a ter reflexos no porto andaluz.

Reflexos para Portugal? Sendo outras as empresas que operam nos dez portos portugueses, as quebras que resultariam indirectamente da actividade portuária diminuída na Andaluzia, será absorvida por outras empresas, incluindo a também sul-coreana Hyunday.

Entretanto, segundo a Bloomberg, de ontem, o  juiz de Falências dos EUA, John K. Sherwood, de Newark, New Jersey, na sexta-feira concedeu a protecção à Hanjin Shipping ao abrigo do Capítulo 15 do Código de Falências, que protege as empresas estrangeiras de ações judiciais por parte dos credores dos EUA, enquanto se reorganizam noutro país. Sherwood tinha dado protecção provisória em 6 de setembro, e esta sua mais recente decisão ampliou o escudo legal..

O alívio nos EUA foi concedido por mais de uma objeção de dois operadores de terminais que advertiam sobre os desastres de encaixe, com uma citando o receio de que os navios Hanjin seriam presos, incapazes de pagar o combustível necessário para partir.
O governo sul-coreano disse neste sábado que vai trabalhar com o tribunal, com a Hanjin Shipping, o Grupo Hanjin e os credores para resolver os problemas financeiros enfrentados pela empresa no descarregamento da carga.
Também disse que mais nove navios serão enviados para o Sudeste Asiático para assumir a carga de navios da Hanjin e ajudar a aliviar as interrupções na cadeia de abastecimento global, sem identificar as empresas envolvidas.
Separadamente, a Hyundai Merchant Marine Co. tinha dito que iria enviar nove navios para a Europa e quatro para os EUA, bem como formar uma aliança com as outras três companhias da Coreia do Sul para oferecer serviços para o Sudeste Asiático para minimizar as interrupções na região.
O conselho da Korean AirLines  reuniu sábado e concordou em oferecer os fundos desde que a  Hanjin Shipping garanta a sua participação num terminal no porto de Long Beach como garantia, depois de não conseguir chegar a uma decisão em duas reuniões anteriores.

 

 

 

 

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Frase de fim de semana, por Jorge


"Errare humanum est, sed perseverare diabolicum".
 
"Errar é humano, mas perseverar é diabólico"
 
 provérbio latino
 
 


 
 ... e que tenhas um bom fim de semana!

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Crítica a um crítico que me interpela sobre a verdade do referendo na Crimeia em 2014


Um dos meus seguidores do facebook, Romão Amorim Araújo, criticou uma observação minha sobre o referendo na Crimeia de 2014. Se quem me lê estiver interessado, escrevi um comentário sobre essa crítica. O crítico refere:

"Romão Amorim de Araújo "decorrente da anexação da Crimeia à Rússia por vontade inequívoca dos seus habitantes" - Quais as suas fontes relativamente a esta afirmação?".
“Media manipulation significantly contributed to a climate of fear and insecurity in the period preceding the referendum,” he said, and the presence of paramilitary and so-called self-defence groups, as well as soldiers in uniform but without insignia, was not conducive to an environment in which voters could freely exercise their right to hold opinions and the right to freedom of expression. - e a minha fonte são as Nações Unidas, que cita Ivan Šimonović, e que poderá ser consultado no website disponível em http://www.un.org/apps/news/story.asp?NewsID=47601...


Réplica a crítica no facebook sobre o referendo de 2014 na Ucrânia

1.      O croata Ivan Simonovic, que apresentou este relatório ao Conselho de Segurança da ONU foi colaborador do governo de Franz Tudjman naquele país, e nomeado por este para representante da Croácia nas Nações Unidas. O governo de Tudjman ficou conhecido por posições ultranacionalistas e racistas. Segundo o insuspeito historiador belga Michel Collon, “Tudjman era "um racista que ativamente espalhou o ódio étnico e pregou a fragmentação da Iugoslávia." Seus detratores, como seu sucessor a presidente da Croácia, Stjepan Mesić, acusou-o de não entender a situação na Bósnia e Herzegovina e a situação nacional dos bósnios muçulmanos. Parece que Tudjman contava este grupo como parte integrante do povo croata, considerando-os "croatas da religião islâmica", como aconteceu durante o mandato na Bósnia pelos Ustashis durante a Segunda Guerra Mundial. Estes e outros erros de cálculo de sua parte causaram uma guerra entre os bósnios croatas dirigidos a partir de Zagreb (os croatas da Bósnia e Herzegovina) e os bósnios durante a Guerra da Bósnia. Os bósnios muçulmanos não queriam que nenhuma parte da Bósnia e Herzegovina fosse separada e anexada à Croácia”. Nunca Ivan Simonovic fez referência crítica a tal paternidade política. Depois deste governo entrou para os quadros da ONU onde foi nomeado por Ban-Ki-Moon, em 2010, seu assistente para…os Direitos Humanos.

2.      Quanto ao relatório propriamente dito – que aliás nunca se transformou em resolução - e sem levar em linha de conta as posições dos membros do Conselho de Segurança sobre ele, entendo ser de referir:

2.1.O relator omite o carácter de “golpe” ao derrube do então presidente Ianukovich, legitimando pelas palavras a nova situação criada na Ucrânia;

2.2.Omite ainda a perseguição que se passou a realizar aos ucranianos de etnia russa, quer física quer de perda de direitos, referindo que foram actos isolados empolados por meios de comunicação tendenciosos;

2.3.Não caracteriza o golpe como fascista ou sequer de direita, quando os membros do governo dele saído eram militantes de partidos ultranacionalistas, fascistas assumidos, que ostentavam como heróis figuras sinistras da ocupação nazi, colaboradores de Hitler como Stepan Bandera;

2.4.Atribui um carácter desestabilizador à reacção antifascista das populações da Crimeia, Luhansk, Kharkiv, Donetsk e outras cidades e ignora o conceito de “direito à revolta”, que legitima o que ocorreu na sequência dos acontecimentos da Praça Maidan, em Kiev.

2.5.Inverte os dados à questão do papel das milícias populares nestas regiões nos referendos aí realizados, e que também esmagadoramente optaram pela mesma atitude do povo da Crimeia. Se elas não tivessem actuado em defesa do direito de voto, as milícias fascistas armadas por Kiev para elas enviadas é que o teriam condicionado dramaticamente o ambiente livre para a liberdade do voto.

2.6.Entre a data deste relatório e os dias de hoje, as situações evoluíram num sentido bem diferente do que o relatório dava a entender. A Federação Russa aceitou a integração da Crimeia na Federação, não acedeu a idêntica integração de Donetsk e Luhansk e a diplomacia e a atitude dos habitantes destas regiões têm contido a agressão contra os cidadãos de origem russa ucranianos. Também a política internacional aventureira de Poroshenko e o desvaire neo-liberal a que conduziu a economia, tornaram a Ucrânia numa sociedade muito desigual, com um reduzido número de muito ricos e condições de vida muito débeis para o resto da população, à generalização da grande corrupção e do domínio da sociedade por máfias organizadas.

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

A desigualdade nos EUA e a macroeconomia convencional, por David F. Rucio


Falando sobre as desigualdades e a macroeconomia convencional, o autor, professor de Economia na Universidade Notre Dame, nos EUA, refere que ao longo dos anos os economistas das corrente convencionais, especialmente os macroeconomistas convencionais, ignoraram em grande parte a questão das desigualdades. E quando falam da sua existência,  tendem a interpretar mal ambas as suas causas (muitas vezes atribuindo-as a eventos externos, como a globalização e a mudanças tecnológicas) e as suas consequências (muitas vezes não conseguem ligá-las entre si, a não ser através da "captura política", em acontecimentos como o crash de 2007-08).
Os principais economistas ignoram ou esquecem o papel da desigualdade  especialmente em acontecimentos macroeconómicos, por duas razões principais. Em primeiro lugar, os seus modelos teóricos e empíricos - seja com base num agente representativo ou em  relações macroeconómicas indiferenciadas (tais como o consumo e investimento - , podem ser solucionados sem nunca introduzir o conceito ou medir a desigualdade. Os modelos que utilizam criam um ponto cego teórico. Mas, em segundo lugar, mesmo quando é claro que eles poderiam incluir a desigualdade como um fator significativo, eles não o fazem. Optam literalmente por não ver a desigualdade como uma questão relevante com sentido nas flutuações macroeconómicas. Então,  quando se trata de desigualdade, a economia convencional (especialmente, como digo, a macroeconomia convencional) fica ensombrada por um  problema teórico e ético.
 
É por isso que uma investigação recente de Kurt Mitman, Dirk Krueger, e Fabrizio Perri é tão interessante. O que eles mostram, utilizando um modelo macroeconómico padrão com a heterogeneidade das famílias para explicar uma riqueza desigual e distribuição do consumo, é que a desigualdade de facto importa. Em particular, demonstram que a queda global nos gastos depende da distribuição de riqueza (por exemplo, é muito maior  numa economia com muitos consumidores de baixa riqueza) e que os efeitos de um determinado choque macroeconómico são sentidos de forma muito diferente em diferentes segmentos da distribuição de riqueza (por exemplo, as famílias de baixa riqueza têm pouca capacidade de precaver-se contra o risco, e, assim, o impacto no bem-estar de uma recessão é significativamente maior para eles). Como consequência, tornam claro que ignorar as desigualdades significa não compreender a gravidade de uma crise macroeconómica e subestima os custos de bem-estar de uma recessão profunda.
 
Isso não é todo o trabalho que precisa ser feito, é claro. Os três investigadores baseiam-se em choques macroeconómicos exógenos em vez de analisar como a própria desigualdade desempenha um papel na criação de condições para uma recessão económica. Mas mesmo na sua tentativa limitada para incluir a desigualdade como um fator significativo num outro modelo macroeconómico convencional demonstra que esse trabalho pode, de facto, ser feito.
Por outras palavras, não é que os economistas convencionais não possam fazer sentir a desigualdade nos seus modelos. Eles simplesmente, na maior parte dos casos, decidem não o fazer.
7 de Setembro de 2016
 
Voltando ao artigo supracitado dos três investigadores, Kurt Mitman, Dirk Krueger, Fabrizio Perri, publicado em 30 de agosto de 2016, os autores começam por dizer que anteriores investigações revelaram que a desigualdade de rendimento e de riqueza tiveram pouco impacto nas dinâmicas agregadas de consumo, do investimento e produção. Isso reforçou a ideia de que se podem estudar as recessões na economia usando agentes representativos. Defendem que a desigualdade das famílias afecta tanto a profundidade de uma recessão como as perdas de bem-estar das pessoas afectadas por ela. Portanto, sustentam que se deve explicitamente medir e modelar a heterogeneidade familiar quando se considera o impacto das flutuações do ciclo de negócios e as consequências no bem-estar das crises económicas.
 
Estes investigadores puderam concluir que medir e modelar a heterogeneidade das famílias de forma explícita é de importância crucial na investigação macroeconómica por duas razões.

• A primeira é que as dinâmicas macroeconómicas são afectadas pelo grau de heterogeneidade subjacente. Em particular, uma economia com uma grande fracção das famílias de baixo rendimento sofre uma redução mais acentuada das despesas de consumo agregadas ao responder a um determinado choque macroeconómico.
• A segunda razão é que, em termos de bem-estar, o impacto de um dado choque macroeconómico é sentido de forma muito diferente em diferentes segmentos da distribuição da riqueza. Em particular, as famílias de baixa rendimento têm capacidade limitada para se precaver contra o risco idiossincrático, e, assim, o impacto do bem-estar de uma recessão é significativamente maior para eles. Como consequência, ignorar a heterogeneidade e rendimentos pode subestimar gravemente o custo de bem-estar de uma grande recessão.
 
 Distribuição da riqueza, renda e consumo por quintil de riqueza
 
A tabela mostra alguns factos importantes sobre o rendimento nos Estados Unidos, a riqueza e a distribuição do consumo em 2006, pouco antes da grande recessão. É retirada do estudo do Painel de Estudo da Dinâmica do Rendimento (PSID), um inquérito domiciliar, que está em funcionamento desde 1968. Reúne informações sobre os salários domésticos, os resultados do mercado de trabalho, riqueza e medidas abrangentes de despesas de consumo das famílias. Para construir a tabela, os autores ordenaram famílias por riqueza, medida como valor líquido (o valor de todas as casas e respectivos ativos, financeiros e reais, incluindo o valor da casa do agregado familiar, subtraindo todas as responsabilidades domésticas, como a dívida de hipotecas). Incluíram a parcela do património líquido em toda a economia de propriedade de famílias em cada um dos cinco quintis da distribuição da riqueza . As terceira e quarta colunas resumem a participação do rendimento disponível e do consumo das famílias, em diferentes pontos da distribuição de riqueza. A última coluna calcula a taxa de despesas por quintil de riqueza, medida como o rácio da despesa total de consumo em relação ao total do rendimento disponível para cada quintil.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

As Filipinas em rota de colisão com os EUA

O presidente das Filipinas Rodrigo Duterte decretou ontem o estado de emergência no país, a pretexto da crescente onda de "violência ilícita". O regime entra em vigor a partir de hoje e será mantido até que seja revogado pelo presidente. Como comandante-em-chefe Duterte pode accionar o Exército, que deverá, nesse caso, agir em conformidade com a lei do país.
 
Na passada 6ª f, dia 2, uma explosão num mercado da cidade de Davao, situada na região sul das Filipinas, onde nasceu o presidente que, na altura estava na cidade, provocou pelo menos 14 mortos e 60 feridos, informou no próprio dia um porta-voz do presidencial. A explosão foi reivindicada pelo movimento islamista Anbu Sayyaf.
 
Segundo o Público, "fontes da Casa Branca tinham dito aos jornalistas que Obama se preparava para, na reunião da ASEAN, ( depois da do G20), confrontar Duterte com as suas políticas de combate à droga, que já passou até por encorajar cidadãos a matarem toxicodependentes e traficantes. Em resultado deste apelo, pelo menos 2400 pessoas foram mortas, 900 das quais em operações policiais e muitas outras às mãos de grupos de vigilantes. Duterte não gostou de saber desta intenção e contra-atacou. "Quem é que ele pensa que é? Eu não sou um fantoche americano. Sou o Presidente de um país soberano e não respondo a ninguém a não ser ao povo filipino", disse o Presidente das Filipinas, referindo-se a Obama como um “filho da puta”, do que se retratou mais tarde, quando, como aconteceu, Obama duvidava, depois do insulto, ter a reunião prevista com Duterte.
 
Esta atitude por parte de Obama não resulta de uma suposta defesa dos direitos humanos, objectivo justo na relação com as Filipinas, mas do facto de Duterte ter rompido com a anterior política dos Aquinos de fazerem das Filipinas a base de confrontação com a China a propósito de reivindicações de alguns países relativamente à soberania nos Mares do Sul da China. E que animaram a política de colocação de mísseis americanos contra a China, tal com o fizeram em países do leste europeu contra a Rússia, aqui a "pretexto" da suposta expansão russa, decorrente da anexação da Crimeia à Rússia por vontade inequívoca dos seus habitantes. A diplomacia chinesa tem, entretanto, estabelecido contactos com os países da região para a consideração das divergências, o que tem dado resultados positivos.
 
No fim do século XIX, ocorreu a Revolução Filipina, e a criação da primeira república do país. Contudo, a Espanha não reconheceu a independência filipina e cedeu o território aos Estados Unidos. A Guerra Filipino-Americana eclodiu pouco tempo depois, seguida por um breve período de ocupação japonesa, durante a Segunda Guerra Mundial. A soberania das Filipinas só foi reconhecida em 4 de julho de 1946, pelos Estados Unidos, sendo desde então um dos mais fortes aliados dos EUA no Sudeste Asiático.
A elevada população do país (103 milhões de habitantes em 2014, mais 9% em cinco anos) e o potencial económico  levaram a que fosse classificada como uma das potências regionais do Sudeste Asiático. Entretanto, o país ainda enfrenta notáveis problemas sociais, além do baixo PIB per capita (cerca de 2900 dólares) e a elevada dívida pública.


segunda-feira, 5 de setembro de 2016

A Turquia, a Síria e os curdos


O eventual envolvimento dos EUA no golpe falhado na Turquia de 15 de Julho e as subsequentes conversações deste país com a Federação Russa, que incluíram uma nova atitude de Ancara em relação ao Presidente Bashar Al-Assad, criaram expectativas positivas que a posterior intervenção turca na Síria não parecem confirmar.
Importa ter em conta a agilidade da diplomacia russa para a paz na Síria mas também que os EUA são velhas raposas, capazes de fazer alguns pinotes e os vínculos anteriores EUA/Turquia/NATO só dificilmente credibilizariam perspectivas iniciais positivas. E sobre Erdogan, há tanto tempo entre o atlantismo, o anti-secularismo e o terrorismo, a falta de credibilidade parece não ter a quem pedir meças…
Há mesmo comentadores que vão ao ponto de considerar as purgas nas forças armadas e na sociedade turcas como um engenhoso plano que a CIA colaborou com Erdogan para afastar destes organismos todos os que se opunham a uma intervenção na Síria ou como a «mise-en-scène» de um falso golpe de Estado. Também há os comentadores que consideram que a Turquia está a fazer jogo duplo com a Rússia e os EUA para atingir os seus objectivos na Síria de criar um cinto de segurança interno no território sírio ao longo da fronteira sul com a Turquia.
Existem especialistas que perguntam o que é que Ancara fará depois lá. Enquanto suas operações foram realizadas «sob o pretexto de lutar contra Daesh», existiu a especulação de que isso pouco teria a ver com o motivo real. A Turquia quer proteger-se da sua própria população curda e de ser obrigada a tratar os curdos com dignidade básica.
Henry Kamens, especialista em Ásia Central e do Cáucaso, escreveu no passado 28 de Agosto num artigo para o site do New Eastern Outlook, «a melhor maneira de conseguir isso é ajudar a criar um novo Estado curdo, como os EUA há muito tempo desejam, em termos tão favoráveis para a Turquia e os EUA, quanto possível». A estratégia norte-americana, segundo o autor, é «deixar os turcos ocuparem território na Síria, que de outra forma teriam caído nas mãos das Forças Curdas de Defesa Popular (YPG), apoiadas pelos EUA, que têm sido a ponta de lança para garantir ao Daesh o controlo das zonas fronteiriças. Isso também significa que um Estado curdo «legal» pode ser estabelecido no território ocupado por poderes «legais», ao invés de um Estado pária criado por terroristas, acrescenta.
A ofensiva militar, que o autor chama de «incursão turca ilegal num país soberano, apoiado por os EUA», é projectada para matar dois coelhos com uma cajadada, «como recompensa por ajudar a criar o novo Estado curdo patrocinado pelos EUA a Turquia fica com rédea livre para ir atrás dos curdos que controlam a área no momento», diz Kamens.
Do ponto de vista turco, os curdos estão a tentar roubar território turco. Do ponto de vista dos EUA, eles estão a ter sucesso com o regresso do Daesh e a criação de um Estado curdo contíguo, e não o Estado curdo imaginado pelos EUA.
O autor sugere que agora os EUA estão a usar os curdos como um meio de fazer regressar a Turquia ao redil. Explica que Ancara está preocupada com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), com sede no seu território, que se estaria a tornar numa força política real, com o apoio da Síria e do Iraque. O autor sugere que, «ajudando os EUA a criar um Estado curdo controlado por curdos, poderia garantir que nenhuma parte da Turquia se tornasse desse estado (coisa que já esteve prevista em anteriores projectos de Curdistão desenhados pelos EUA).
O movimento serve para reparar as relações com os EUA, ajudando a cumprir o seu plano e, ao mesmo tempo, não comprometeria a sua nova amizade com a Rússia, uma vez que está apenas lutando contra os terroristas, e não contra o governo sírio, que a Rússia apoia.
Essa solução garantiria o controle do comércio de petróleo regional e um pretexto para reduzir ainda mais os direitos dos curdos da Turquia. O autor também assinala o «timing suspeito» da ofensiva. «Ele está relacionado com as eleições nos Estados Unidos e dá um impulso para os EUA, o governo Obama e sucessor preferido de Obama, Hillary Clinton. Mas também dá aos militares turcos a luz verde para fazer o que eles têm esperado ansiosamente», afirma.
Uma visão semelhante é partilhada pela revista Newsweek, que também chama a atenção para a recente visita do vice-presidente Biden para Ancara, onde se encontrou com Recep Tayyip Erdogan em 23 de Agosto. «Talvez a maré esteja agora a subir em Washington, na sequência da reunião Erdogan-Putin (9 de Agosto)».
«A Casa Branca ajudou a preparar a visita de Biden com sua resposta ao atentado terrorista de 20 de Agosto num casamento em Gaziantep, que observou estarem os EUA com o povo turco e com eles defender a sua democracia em face de todas as formas de terrorismo». Para Kamens os EUA têm agora de «aproveitar este momento» e «encontrar uma maneira de superar o impasse quanto à extradição do Sr. Gulen», caso contrário Ancara vai «cair nos braços de Putin (...)».
Para esta intervenção na Síria, o presidente turco conseguiu obter o apoio de Washington e «terá torneado quaisquer obstáculos que a Rússia ou o seu aliado sírio» poderiam criar a tal intervenção sem precedentes.
Aviões de guerra norte-americanos deram cobertura aérea a militantes sírios dirigidos por Ancara para tomarem ao Daesh a cidade fronteiriça de Jarablus. O vice-presidente dos EUA, Joe Biden, em Ancara, no primeiro dia do assalto prometeu apoio total de Washington à Operação «Escudo do Eufrates».
Erdogan disse que a operação teve como objectivos a «limpeza» da zona fronteiriça de terroristas do Daesh, bem como empurrar combatentes curdos anti-Daesh para o leste através do Eufrates para o seu reduto no nordeste da Síria. A milícia curda, composta principalmente por Unidades de Protecção Popular (YPG), também conhecida como Forças Democráticas da Síria (SDF), tem até agora sido apoiada por Washington. O patrocínio americano pareceu ficar em dúvida esta semana, com Biden a emitir um aviso severo de que ele acabaria se os curdos não recuassem para leste.
Contrariando o eventual apoio russo a esta operação, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia afirmou que estava «muito preocupado» com a escalada militar da Turquia. As autoridades sírias foram mais longe e condenaram a implantação turca ao longo da fronteira uma «flagrante violação da soberania síria».
A Rússia e a Síria têm todo o direito em estar alarmadas. Apesar da retórica de Erdogan, alegando que a reconquista de Jarablus era «para derrotar terroristas» e «para proteger a integridade territorial da Síria», o facto inevitável é que as forças turcas, com o apoio dos EUA, já instalaram militantes sírios próximos de ambos no controle de uma cidade síria e território envolvente. A Turquia diz que quer estabelecer uma «zona segura» ao longo do lado sírio da fronteira que se estende por 100 quilómetros de extensão e 30 de profundidade. Não está claro se o exército turco vai ficar em território sírio para impor esta zona. Podem retirar-se e deixá-la entregue a militantes sírios apoiados por Ancara, incluindo os combatentes do chamado Exército Sírio Livre e combatentes turcomenos. Estes militantes estão supostamente em oposição aos jihadistas do Daesh, mas o seu principal objectivo é travar uma guerra contra o governo sírio do presidente Bashar Assad e os seus aliados estrangeiros - Rússia, Irão e Hezbollah.
Erdogan terá que clarificar para que lado cai em definitivo: ou para os EUA para acabar com o regime sírio e transformar a Síria num novo Iraque, Afeganistão ou Líbia, ou juntar-se aos que querem contribuir para a paz na região e para o desenvolvimento, ombreando com a Síria, Irão, a Rússia e a China.

Este artigo foi originalmente publicado nesta mesma data no site AbrilAbril.
http://www.abrilabril.pt/turquia-siria-e-os-curdos
 

sábado, 3 de setembro de 2016

Sobre a Venezuela (2) No combate à carência de abastecimento, ao mercado negro e à inflação provocados pelos monopolistas, mais de 127 mil toneladas de alimentos e outros artigos de consumo foram apreendidos em 51 dias pelas autoridades venezuelanas

A acção de fiscalização referida em 2

1.       Segundo a Professora da Universidade Simon Bolivar, Pascualina Curcio, a falta cada vez mais acentuada de certos produtos alimentares, de higiene pessoal  e para a casa. isso acontece desde 2013 por razões políticas “Os dois principais problemas da economia crioula, a falta de abastecimento e a inflação, são provocados. A intencionalidade política sobretudo nas irregularidades de oferta de produtos de consumo massivo por parte das empresas monopolistas particularmente em períodos pré-eleitorais”. E caracterizou alguns dos produtos em falta: são de consumo generalizado, de origem agro-industrial monopolista e não perecíveis.

Para Pascualina Curcio, o tipo de mercado paralelo incide directamente na fixação de preços, particularmente nos artigos associados às nossas vidas como alimentos e medicamentos, apesar de que nem os números de produção nem de importação de tais artigos terem diminuído como mostram as estatísticas. Conclui que a inflação caminha de mãos dadas com o mercado paralelo e os preços são manipulados sem relação com qualquer indicador económico. Fez cálculos e o dólar deveria estar em 400 bolívares, que é o valor da moeda. Segundo a académica, este preço estaria abaixo do dólar Dicom (tipo de câmbio utilizado em todas as transacções não essenciais) porque este instrumento corresponde apenas a 8% do mercado total de divisas, sendo os restantes 92% entregues a 10 bolívares.

Denunciou ainda que os empresários monopolistas crioulos e as suas empresas-mãe têm a capacidade de cartelizar preços, embora eles recebam as divisas e vendem os seus artigos com base em câmbios ilegais. "Se importam um artigo que lhes custou 10 dólares que, à taxa de 10 bolívares por dólar, são 100 bolívares, no entanto, vendem-no a 10.000, porque eles se multiplicam com o dólar negro" (do mercado negro).Por isso são várias as regiões a acabar com as importações controladas pelo mercado negro.

 

2.      Entre 12 de Julho e 1 de Setembro deste ano  foram apreendidas 127.534 toneladas de alimentos para consumo humano e produtos domésticos, desviados para o mercado negro e especulação numa grande acção realizada em todo o país e para promover a distribuição eficiente de produtos que têm sido sonegados criminosamente às lojas, mercearias, e mercados agrícolas, por parte de grandes produtores e distribuidores que actuam, através de intermediários, no sentido de provocarem descontentamento contra o governo que a imprensa nacional e internacional, acaba por atribuir à política económica que este realizaria.

O relatório das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas, de 1 de Setembro, indica que, durante o trabalho de abordagem a 2.467 estabelecimentos (armazéns, mercados e depósitos) se confiscaram também 107.879 litros de alimentos para consumo humano, 4.344 toneladas de alimentos para consumo animal, 992 toneladas de outros produtos para o lar, 20.459 produtos de higiene pessoal e 16.765 unidades de produtos farmacêuticos.
Pelo menos um oficial general na reforma, ligado à oposição, considerou que a atribuição de tais tarefas às Forças Armadas são "pouco dignas".

Um dos responsáveis pelo organismo que interveio informou que os produtos apreendidos nas operações realizadas serão distribuídos através dos Comités Locais de Fornecimento e Produção (CLAP) para garantir que chegam directamente às famílias.

Em dois meses e meio foram abordadas 793 empresas para monitorizar os seus processos de produção (660 privadas me 133 do setor público).

Nestas visitas de 7.572 funcionários, verificou-se que as indústrias privadas têm uma capacidade instalada real para produzir 3.602.494 toneladas de capacidade, enquanto nas públicas ela é de 1.782.352 toneladas.

A auditoria do Estado tem como objetivo conhecer quais são os problemas que algumas empresas e, assim, criar as respostas oportunas para activar todo o aparelho produtivo do país, sanear a distribuição e normalizar a produção de alimentos, remédios e artigos de higiene pessoal.

De acordo com o relatório, também foram fiscalizados 6 portos e entregues ao Ministério Público 102 pessoas por incorrerem em crimes de especulação, açambarcamento e desvio dos artigos.